Uma explosão matou 10 pessoas do lado de fora de um parque público na cidade de Lahore no Paquistão

papappapaafj2po4jogíp.jpg

LAHORE, Paquistão (Reuters) – Uma explosão matou 10 pessoas do lado de fora de um parque público na cidade de Lahore, no Paquistão, capital de Punjab, coração político do primeiro-ministro Nawaz Sharif, disseram oficiais do resgate.

A polícia disse que a natureza da explosão ainda não estava clara.

“Pelo menos 10 pessoas foram mortas em uma explosão do lado de fora do Parque Gulshan Iqbal”, disse à Reuters o porta-voz do Recuse 112 Jam Sajjad Hussain, acrescentando que mais de 30 pessoas ficaram feridas e haviam sido levadas a diversos hospitais na cidade.

A maioria dos feridos eram mulheres e crianças, disse Hussain.

O Paquistão, nação com armas nucleares de 190 milhões de pessoas, é atormentado pela insurgência Taliban, gangues criminosas e violência sectária. Punjab é sua maior mais rica província.

Fonte: Extra

Hoje começa a campanha “Desliga a Globo que o Brasil melhora”. ‪#‎ParaTiGlobo‬

DESLIGA A GLOV.jpg

Utilizem a tag ‪#‎ParaTiGlobo‬ no Twitter.
Confira aqui todas todas as falcatruas que a Globo esconde de você.

Bepe Damasco – Com palestras dos jornalistas e blogueiros Paulo Henrique Amorim e Miro Borges, dia 3 de março, HOJE, no auditório da CUT-RJ, às 18h, a direção da central no Rio lança campanha para esclarecer a população o quanto a Globo faz mal ao país.

Tradicional inimiga das causas populares e democráticas, a Rede Globo, líder do monopólio midiático brasileiro, tem se superado cada vez mais em termos de manipulação da informação, da mentira e do assassinato de reputações. Tudo em nome dos seus interesses políticos e comerciais.

Nunca é demais lembrar o currículo dessa organização. A Globo esteve na linha de frente da campanha que levou Vargas ao suicídio, tentou de todas as maneiras impedir a posse de Jango e apoiou o golpe militar que censurou, perseguiu, cassou, baniu, prendeu, sequestrou , torturou e assassinou tantos opositores do regime.

As empresas da família Marinho tentaram sabotar a campanha das Diretas Já e escreveram um dos capítulos mais tristes do jornalismo brasileiro nas eleições presidenciais de 1989, quando editaram de forma grosseira o debate entre Lula e Collor, para prejudicar o candidato do PT.

A criminalização dos movimentos sociais e a oposição a tudo que lembre inclusão social e soberania nacional são outras marcas registradas globais. Agora, a Globo aposta suas fichas no cerco midiático aos ex-presidente Lula e a tudo que ele representa em termos de melhoria de vida dos mais pobres e desfavorecidos.

A boa notícia, porém, é que cada vez mais brasileiros percebem a que interesses antipopulares servem o império de comunicação da família mais rica do país, segundo a revista Forbes. Por isso, sua audiência despenca a olhos vistos , bem como seus leitores. Nas manifestações de rua tornou-se obrigatório o grito “o povo não é bobo, abaixo a Rede Globo.”

Contudo, não podemos menosprezar a força de um monopólio de 50 anos na disputa por corações e mentes. E a campanha “Desliga a Globo que Brasil melhora” é parte do movimento pela democratização da mídia, na qual a CUT tem papel destacado.

Fonte: Debate Progressista

[ATENÇÃO] OAB apoiou o golpe de 64

OABHouve quem se surpreendesse com a decisão do Conselho Federal da OAB de apoiar o impeachment de Dilma Rousseff. Mas quem sabe como a Ordem se comportou 52 anos atrás recebeu a notícia até com certo enfaro. Zero de espanto. Em 1964, o Conselho Federal da OAB saudou a deposição de João Goulart e o fim abrupto do governo constitucionalmente eleito. Em êxtase, alegrou-se com o golpe.

Quem afirma isto não é o reles escriba mas…a OAB. Abre aspas: “Dessa forma, a Ordem recebeu com satisfação a notícia do golpe, ratificando as declarações do presidente Povina Cavalcanti, que louvaram a derrocada das forças subversivas”. É o que está registrado, com todos os verbos e adjetivos, no próprio site do Conselho Federal.

Então na presidência da OAB, o alagoano Carlos Povina Cavalcanti “parabenizou a atuação do Conselho, considerando-a lúcida e patriótica ao alertar, durante a reunião realizada a 20 de março, os poderes constituídos da República para a defesa da ordem jurídica e da Constituição”.

Com a palavra Cavalcanti, estendendo-se um pouco sobre as razões da pregação golpista: “(…) antecipando-nos à derrocada das forças subversivas, acionadas por dispositivos governamentais, que visaram, em disfarces, a destruição do primado da democracia e a implantação de um regime totalitário no qual submergiram todos os princípios da liberdade humana, tivemos a lucidez e o patriotismo de alertar, na memorável reunião extraordinária de 20 de março findo, os poderes constituídos da República para a defesa da ordem jurídica e da Constituição, tão seriamente ameaçadas”.

Em outro trecho do documento reproduzido pelo site, Cavalcanti argumenta que “(…) Sem sairmos da órbita constitucional, podemos hoje, erradicar o mal das conjunturas comuno-sindicalistas e proclamar que a sobrevivência da Nação Brasileira se processou sob a égide intocável do Estado do Direito. Que a Providência Divina inspire os homens responsáveis desta terra e lhes ilumine a consciência jurídica, pois que sem o direito, como pregou Rui Barbosa, não há salvação”. É o que consta da ata da 1115ª. sessão realizada em 7 de abril de 1964.

Neste precioso parágrafo, a OAB reproduz um argumento recorrente durante o autoritarismo: o golpe foi dado para salvar a democracia. Em outras palavras, implantou-se uma ditadura porque a ordem democrática corria perigo e poderia ser substituída por um regime ditatorial. Bingo!

Em alto e bom som, sente-se o eco da novilíngua engendrada por George Orwell. No seu romance 1984, o nome das coisas significa justamente o oposto do que se afirma. Bom é mau, paz é guerra, liberdade é escravidão. Outro ingrediente da distopia orwelliana, o duplipensar, também ingressaria na dança. É a capacidade de conciliar duas crenças opostas ao mesmo tempo e de acreditar genuinamente na fabulação que produz.

Como paradoxo pouco é bobagem, Cavalcanti arremata proclamando, Ruy Barbosa a tiracolo, que “sem o direito não há salvação.” Sob a tirania, o direito atenderia pelo nome curto e grosso de AI-5. Mais Orwell.

Sete dias após o estupro da Constituição ter sido visto como relação consensual, o Conselho Federal exultava. Na sessão ordinária de 7 de abril, “a euforia transborda das páginas da ata que registrou o encontro”, registrou a historiadora Denise Rollemberg, autora de Memória, Opinião e Cultura Política. A OAB sob a ditadura (1964-1974). E prossegue: “A euforia da vitória, de estar ao lado das forças justas, vencedoras. A euforia do alívio. Alívio de salvar a nação dos inimigos, do abismo, do mal”. Em júbilo, Cavalcanti chamou os conselheiros de “cruzados valorosos do respeito à ordem jurídica e à Constituição” e se apresentava, orgulhoso, como “em paz com a nossa consciência”.

No livro Modernidades Alternativas, de 2008, a pesquisadora investigou o comportamento da OAB na primeira década da ditadura. Em entrevista ao repórter Chico Otávio, de O Globo, sustentou que aquilo que se conhece como a postura critica da Ordem ao poder militar somente aconteceu a partir de 1972. Até então, oscilou entre o apoio aos generais no poder, o mutismo e uma discreta desaprovação às prisões arbitrárias. Mais: nos primeiros meses após o AI-5, o golpe dentro do golpe, editado em 13 de dezembro de 1968, só uma voz se ergueu claramente contra a abominação, a do advogado Heráclito Sobral Pinto. Voto vencido entre os conselheiros, Sobral apoiara a derrubada de Jango e se arrependera. “No mais, o silêncio foi a resposta da Ordem ao ato que eliminou o que ainda restara de direitos civis”, declarou Denise Rollemberg ao repórter.

Foi um silêncio interessante. Quatro dias após o AI-5, o ex-presidente da OAB, Cavalcanti, foi nomeado pela tirania para compor a Comissão Geral de Investigações (CGI) que pretendia extirpar a corrupção. O levantamento de Denise Rollemberg constatou que Cavalcanti não estava sozinho. Diversos presidentes regionais da Ordem juntaram-se às subcomissões de investigações nos seus estados. A CGI seria um fracasso mas esta é outra historia.

Antes, mal o golpe assoprara a primeira vela de seu bolo, e o vice-presidente da OAB, Alberto Barreto de Melo, resolveu criticá-lo. Não pela repressão mas por repressão insuficiente. Reclamou que antigos colaboradores do governo Goulart ainda continuavam na administração pública. Era preciso alijá-los também. Garimpando as atas do CF, Denise Rollemberg recolheu a manifestação da conselheira Maria Rita Soares de Andrade que aplaudia a edição do AI- 2 “como um ato de legítima defesa ditado pelo estado de necessidade em que se viu a revolução que tem o dever de preservar seus objetivos”. Na época, o golpe atendia por “revolução” — Orwell mais uma vez. Baixado em outubro de 1965, o Ato Institucional 2 reabriu processos de cassação, extinguiu partidos políticos, determinou que funcionários públicos estáveis seriam sumariamente demitidos se suas atividades não fosse consideradas compatíveis com os objetivos do regime de força e consagrou a intervenção direta do Executivo sobre o Judiciário.

Existe outro episódio espinhoso para a história da OAB vinculado aqueles ásperos tempos. Em maio de 1964, ainda através de Cavalcanti, ela participou da comissão designada pelo ditador Castelo Branco para verificar a integridade física de nove membros de missão comercial da República Popular da China. Resultado de acordo entre os dois países, a missão estava no Brasil desde 1961. Detidos sob suspeita de conspiração, os chineses tomaram 10 anos de cadeia. Cumpriram pouco mais de um ano e com a ajuda gratuita do velho Sobral, novamente ele, conseguiram ser repatriados. Não se sabe qual foi o parecer da comissão oficial mas o fato é que os estrangeiros, como relatariam mais tarde, foram torturados.

Um deles, Ju Quingdong, funcionário da agência de notícias Xinhua, contou que teve a casa arrombada, foi espancado, ameaçado de morte e queimado com brasa de cigarros no Departamento de Ordem Política e Social (Dops). Pisoteado na barriga, sofreu uma evacuação involuntária. E os meganhas do Dops puseram a mão em todo o dinheiro que possuía e que nunca mais viu. Em 2014, aos 84 anos, ele esmiuçou os suplícios à Comissão da Verdade/RJ.

Se na alvorada do golpe, a OAB brindou aos “homens responsáveis desta terra” que baniram “o mal das conjuras comuno-sindicalistas”, mais tarde constataria o trágico resultado da sua opção. No começo da tarde de 27 de agosto de 1980, a secretária Lyda Monteiro da Silva, de 59 anos, abria a correspondência do presidente do Conselho Federal da Ordem, Eduardo Seabra Fagundes, quando uma carta-bomba explodiu, matando-a.

Entre uma e outra data, a OAB mudara. Apesar de sua postura, no mínimo, ambígua durante os oito primeiro anos da gestão ditatorial, o Conselho Federal, assegura que, logo nos primeiros meses, começou a vislumbrar “a verdadeira face do novo regime”. Em 1977, presidida por Raymundo Faoro, a Ordem empenhou-se pela revogação da Lei de Segurança Nacional e do AI-5, a defesa dos presos políticos, o fim da tortura. Também pelo retorno das garantias plenas da magistratura e do habeas corpus, além da convocação de uma assembléia nacional constituinte. Transformou-se, então, em alvo de terroristas de ultradireita, contrários à abertura política. Nem parecia que aquilo tudo, que ajudara a partejar com sua adesão entusiasmada, nascera “sob a égide intocável do Estado do Direito”.

Sul21

Mais de mil missionários demitidos por queda nas ofertas

Missão dos Batistas do Sul sofre cortes após declínio nas ofertas

mbcr.jpg

O Conselho de Missões Internacionais (IMB, na sigla em Inglês) da Convenção Batista do Sul é uma das maiores agências missionárias do mundo. Desde novembro ela vinha avisando que precisaria reduzir seu pessoal por causa no declínio nas ofertas.

O número final de cortes, revelado no final de fevereiro, assustou. Foi mais que o dobro do previsto, totalizando 1.132 trabalhadores. Foram 983 missionários e 149 pessoas que trabalham na administração da missão, nos Estados Unidos. A medida tem por objetivo equilibrar o orçamento até 2017.

Dos esperados 310 milhões de dólares necessários para continuar com toda as suas atividades, os batistas só arrecadaram 278,8 milhões.

Uma pequena parcela dos missionários desligados pediu aposentadoria antecipada. De acordo com dados da IMB, o número de missionários no campo caiu para cerca de 3.800 – o menor número em mais de 20 anos.

A notícia “é decepcionante para todos nós”, disse o presidente da denominação, Ronnie Floyd.

Frank Page, líder do Comitê Executivo, explica que seu “coração está partido” pelo grande impacto que isso terá na evangelização mundial.

David Platt, presidente da IMB, explicou que os cortes fazem parte de um plano para estabilizar as finanças da agência missionária, que acumulava um déficit de 210 milhões de dólares. A dívida foi paga usando fundos de reserva e a venda de propriedades no exterior, incluindo casa de missionários.

A crise financeira que a denominação passa começou em 2014, quando as doações das igrejas para o trabalho missionário diminuíram bastante. A missão batista contava então com 5.271 missionários, espalhados por dezenas de países em todos os continentes.

“Deus não foi surpreendido por estas realidades financeiras”, explicou a IMB em seu site. “Ele reinou soberanamente sobre IMB por 170 anos, e vai continuar a fazer isso nos próximos anos”. O planejamento para os próximos anos inclui uma retomada no envio de obreiros, mas com parcerias e outros modelos de trabalho.

Por Jarbas Aragão.

Fonte: Gospel Prime.

https://noticias.gospelprime.com.br/missionarios-demitidos-queda-nas-ofertas/

Ex-presidente da CNBB pede respeito à Constituição para superar crise política

aecebispo_de_mariana_1.png

O arcebispo da Arquidiocese de Mariana, Dom Geraldo Lyrio Rocha, pediu respeito à Constituição e preservação das instituições para superar a atual crise política do país. Em entrevista à Agência Brasil na noite dessa sexta-feira (25), durante as cerimônias da Semana Santa em Mariana (MG), o bispo defendeu mais serenidade e menos radicalização. “É um pedido que vale tanto para o governo federal e sua base, quanto para a oposição”.

Dom Geraldo Lyrio foi presidente da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) de 2007 a 2011. Ele explicou que ainda não há uma posição oficial do conjunto do episcopado brasileiro, mas que cada bispo, como cidadão, tem o direito expressar seu pensamento livremente. “A conjuntura nacional será um ponto forte das discussões da próxima assembleia-geral da CNBB, no início de abril, e existe a possibilidade de posições serem assumidas de forma oficial”, informou.

Declarando-se sem posição político-partidária, ele alertou que o povo brasileiro é o mais sacrificado no atual momento. Para o arcebispo, há muitas soluções propostas que são voltadas a interesses pessoais e não aos interesses da nação. “Esperamos que o direito prevaleça, que não se ultrapasse aquilo que é da Justiça, que as instituições possam ser preservadas e que a Constituição seja respeitada”.

Posições

Em dezembro do ano passado, quando o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), autorizou a abertura do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff, a Comissão Brasileira Justiça e Paz, da CNBB, divulgou nota questionando os motivos do parlamentar. Segundo o texto, a atitude de Cunha não continha “subsídios que regulem a matéria” e ele demonstrou estar agindo por interesse pessoal.

Nos últimos dias, circulou nas redes sociais um vídeo do bispo dom Ailton Menegussi, da Diocese de Crateús (CE), em que apresentou aos fiéis sua posição contra o impeachment. “Nós não vamos apoiar simplesmente a troca de governos, de pessoas interesseiras, que estão apenas querendo se apossar porque são carreiristas”, disse durante cerimônia religiosa.

Fonte: Agência Brasil

Pastores divulgam nota em defesa de Sergio Moro

Concepab considera nomeação do ex-presidente Lula como ministro uma afronta às instituições

sergio-moro-1.jpg

Órgãos representativos de ramos do protestantismo no Brasil, a Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil (Concepab) e o Fórum Evangélico Nacional de Ação Social e Política (Fenasp) emitiram nota nesta sexta (25), manifestando-se sobre a corrupção no Brasil.

Iniciam lembrando que defendem o Estado Democrático de Direito e chamando a igreja para orar pelas autoridades do país. De maneira clara, apoiam a Operação Lava Jato e o Juiz Sérgio Moro.

Pedem que os culpados, “independentemente de suas funções sociais e políticas, sejam submetidos ao devido processo legal”.  Classificam de “afronta” a nomeação do ex-presidente Lula como Ministro. Finalizam, lembrando a grande mobilização popular nos protestos recentes e finalizam pedindo um “basta”.

Atualmente, a CONCEPAB é presidida pelo bispo Robson Rodovalho, líder da denominação Sara Nossa Terra, em cujo site a nota foi divulgada. Ele conhece bem os meandros do Congresso, pois foi deputado federal, pelo DEM. Entre seus projetos destaca a proibição do uso de documentos psicografados como prova judicial. Também defendeu o projeto que a música gospel beneficie-se da Lei Rouanet.

A manifestação desse grupo de pastores vem a público poucos dias depois do famigerado “Manifesto de Evangélicos pelo Estado de Direito” assinado por pastores de ideologia esquerdista como Ariovaldo Ramos, Ed René Kivitz, Carlos Queiroz e Ricardo Bitun.

O contraste entre os dois documentos mais uma vez mostra que os evangélicos do Brasil apenas refletem a sociedade. Não há “posição fechada” sobre os assuntos, e tampouco um líder ou órgão que possa falar em nome de todos.

Em meio a crise econômica e moral, parte dos crentes está envolvido ativamente na questão política, seja a favor ou contra o governo. Um outro percentual prefere não se posicionar e faz campanhas de oração e jejum pela nação.

Íntegra da Posição da CONCEPAB sobre a crise política

A Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil (Concepab) e o Fórum Evangélico Nacional de Ação Social e Política (Fenasp) vêm a público, neste momento crítico que o país atravessa, posicionar-se em defesa do Estado de Democrático de Direito.

Acreditamos, acima de tudo, que a igreja do Senhor deve recorrer à oração, obedecendo aos princípios bíblicos de orar por aqueles que estão investidos de autoridade para que sejam sóbrios, sábios e justos. Reafirmamos nossa confiança nas instituições brasileiras, que estão amadurecidas e assumem seus papéis frente à situação atual, com firmeza e justiça.

Defendemos a continuidade da Operação Lava Jato sob a jurisdição do Excelentíssimo Juiz Federal Sérgio Moro; as 10 Medidas propostas pelo Ministério Público para reforçar o combate à corrupção no país; e que os culpados, independentemente de suas funções sociais e políticas, sejam submetidos ao devido processo legal. Entendemos a nomeação do ex-presidente Lula como Ministro de Estado como uma afronta às instituições, na medida em que ele está sob investigação.

Nós da Fenasp e Concepab esperamos que os políticos coloquem o povo e a pátria acima de seus próprios interesses, sejam altruístas e se lembrem de que representam esse povo que se mobilizou em grandes protestos, pacíficos e ordeiros, pedindo nas ruas do país por um “basta”.

Fonte: GOSPEL PRIME