Pastores Se Desentendem e Sai No socos e Pontapés

Veja o vídeo

Anúncios

Mais de mil missionários demitidos por queda nas ofertas

Missão dos Batistas do Sul sofre cortes após declínio nas ofertas

mbcr.jpg

O Conselho de Missões Internacionais (IMB, na sigla em Inglês) da Convenção Batista do Sul é uma das maiores agências missionárias do mundo. Desde novembro ela vinha avisando que precisaria reduzir seu pessoal por causa no declínio nas ofertas.

O número final de cortes, revelado no final de fevereiro, assustou. Foi mais que o dobro do previsto, totalizando 1.132 trabalhadores. Foram 983 missionários e 149 pessoas que trabalham na administração da missão, nos Estados Unidos. A medida tem por objetivo equilibrar o orçamento até 2017.

Dos esperados 310 milhões de dólares necessários para continuar com toda as suas atividades, os batistas só arrecadaram 278,8 milhões.

Uma pequena parcela dos missionários desligados pediu aposentadoria antecipada. De acordo com dados da IMB, o número de missionários no campo caiu para cerca de 3.800 – o menor número em mais de 20 anos.

A notícia “é decepcionante para todos nós”, disse o presidente da denominação, Ronnie Floyd.

Frank Page, líder do Comitê Executivo, explica que seu “coração está partido” pelo grande impacto que isso terá na evangelização mundial.

David Platt, presidente da IMB, explicou que os cortes fazem parte de um plano para estabilizar as finanças da agência missionária, que acumulava um déficit de 210 milhões de dólares. A dívida foi paga usando fundos de reserva e a venda de propriedades no exterior, incluindo casa de missionários.

A crise financeira que a denominação passa começou em 2014, quando as doações das igrejas para o trabalho missionário diminuíram bastante. A missão batista contava então com 5.271 missionários, espalhados por dezenas de países em todos os continentes.

“Deus não foi surpreendido por estas realidades financeiras”, explicou a IMB em seu site. “Ele reinou soberanamente sobre IMB por 170 anos, e vai continuar a fazer isso nos próximos anos”. O planejamento para os próximos anos inclui uma retomada no envio de obreiros, mas com parcerias e outros modelos de trabalho.

Por Jarbas Aragão.

Fonte: Gospel Prime.

https://noticias.gospelprime.com.br/missionarios-demitidos-queda-nas-ofertas/

Ex-presidente da CNBB pede respeito à Constituição para superar crise política

aecebispo_de_mariana_1.png

O arcebispo da Arquidiocese de Mariana, Dom Geraldo Lyrio Rocha, pediu respeito à Constituição e preservação das instituições para superar a atual crise política do país. Em entrevista à Agência Brasil na noite dessa sexta-feira (25), durante as cerimônias da Semana Santa em Mariana (MG), o bispo defendeu mais serenidade e menos radicalização. “É um pedido que vale tanto para o governo federal e sua base, quanto para a oposição”.

Dom Geraldo Lyrio foi presidente da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) de 2007 a 2011. Ele explicou que ainda não há uma posição oficial do conjunto do episcopado brasileiro, mas que cada bispo, como cidadão, tem o direito expressar seu pensamento livremente. “A conjuntura nacional será um ponto forte das discussões da próxima assembleia-geral da CNBB, no início de abril, e existe a possibilidade de posições serem assumidas de forma oficial”, informou.

Declarando-se sem posição político-partidária, ele alertou que o povo brasileiro é o mais sacrificado no atual momento. Para o arcebispo, há muitas soluções propostas que são voltadas a interesses pessoais e não aos interesses da nação. “Esperamos que o direito prevaleça, que não se ultrapasse aquilo que é da Justiça, que as instituições possam ser preservadas e que a Constituição seja respeitada”.

Posições

Em dezembro do ano passado, quando o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), autorizou a abertura do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff, a Comissão Brasileira Justiça e Paz, da CNBB, divulgou nota questionando os motivos do parlamentar. Segundo o texto, a atitude de Cunha não continha “subsídios que regulem a matéria” e ele demonstrou estar agindo por interesse pessoal.

Nos últimos dias, circulou nas redes sociais um vídeo do bispo dom Ailton Menegussi, da Diocese de Crateús (CE), em que apresentou aos fiéis sua posição contra o impeachment. “Nós não vamos apoiar simplesmente a troca de governos, de pessoas interesseiras, que estão apenas querendo se apossar porque são carreiristas”, disse durante cerimônia religiosa.

Fonte: Agência Brasil

Pastores divulgam nota em defesa de Sergio Moro

Concepab considera nomeação do ex-presidente Lula como ministro uma afronta às instituições

sergio-moro-1.jpg

Órgãos representativos de ramos do protestantismo no Brasil, a Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil (Concepab) e o Fórum Evangélico Nacional de Ação Social e Política (Fenasp) emitiram nota nesta sexta (25), manifestando-se sobre a corrupção no Brasil.

Iniciam lembrando que defendem o Estado Democrático de Direito e chamando a igreja para orar pelas autoridades do país. De maneira clara, apoiam a Operação Lava Jato e o Juiz Sérgio Moro.

Pedem que os culpados, “independentemente de suas funções sociais e políticas, sejam submetidos ao devido processo legal”.  Classificam de “afronta” a nomeação do ex-presidente Lula como Ministro. Finalizam, lembrando a grande mobilização popular nos protestos recentes e finalizam pedindo um “basta”.

Atualmente, a CONCEPAB é presidida pelo bispo Robson Rodovalho, líder da denominação Sara Nossa Terra, em cujo site a nota foi divulgada. Ele conhece bem os meandros do Congresso, pois foi deputado federal, pelo DEM. Entre seus projetos destaca a proibição do uso de documentos psicografados como prova judicial. Também defendeu o projeto que a música gospel beneficie-se da Lei Rouanet.

A manifestação desse grupo de pastores vem a público poucos dias depois do famigerado “Manifesto de Evangélicos pelo Estado de Direito” assinado por pastores de ideologia esquerdista como Ariovaldo Ramos, Ed René Kivitz, Carlos Queiroz e Ricardo Bitun.

O contraste entre os dois documentos mais uma vez mostra que os evangélicos do Brasil apenas refletem a sociedade. Não há “posição fechada” sobre os assuntos, e tampouco um líder ou órgão que possa falar em nome de todos.

Em meio a crise econômica e moral, parte dos crentes está envolvido ativamente na questão política, seja a favor ou contra o governo. Um outro percentual prefere não se posicionar e faz campanhas de oração e jejum pela nação.

Íntegra da Posição da CONCEPAB sobre a crise política

A Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil (Concepab) e o Fórum Evangélico Nacional de Ação Social e Política (Fenasp) vêm a público, neste momento crítico que o país atravessa, posicionar-se em defesa do Estado de Democrático de Direito.

Acreditamos, acima de tudo, que a igreja do Senhor deve recorrer à oração, obedecendo aos princípios bíblicos de orar por aqueles que estão investidos de autoridade para que sejam sóbrios, sábios e justos. Reafirmamos nossa confiança nas instituições brasileiras, que estão amadurecidas e assumem seus papéis frente à situação atual, com firmeza e justiça.

Defendemos a continuidade da Operação Lava Jato sob a jurisdição do Excelentíssimo Juiz Federal Sérgio Moro; as 10 Medidas propostas pelo Ministério Público para reforçar o combate à corrupção no país; e que os culpados, independentemente de suas funções sociais e políticas, sejam submetidos ao devido processo legal. Entendemos a nomeação do ex-presidente Lula como Ministro de Estado como uma afronta às instituições, na medida em que ele está sob investigação.

Nós da Fenasp e Concepab esperamos que os políticos coloquem o povo e a pátria acima de seus próprios interesses, sejam altruístas e se lembrem de que representam esse povo que se mobilizou em grandes protestos, pacíficos e ordeiros, pedindo nas ruas do país por um “basta”.

Fonte: GOSPEL PRIME

Papa diz que o mundo tem sede de esperança

Papa.jpg

O papa Francisco pediu hoje (26) à igreja e aos fiéis católicos que difundam a esperança a um mundo sedento dela. A declaração foi feita durante a homilia na vigília do sábado de aleluia, celebrada na basílica de São Pedro. Na Vigília Pascal, ritual da semana santa no qual os católicos aguardam a ressurreição de Jesus Cristo, o papa salientou como hoje é necessária tanta esperança e que é preciso difundi-la e proclamar Cristo ressuscitado “com a vida e com o amor”.

“Se assim não for, seremos um organismo internacional com um grande número de seguidores e boas normas, mas incapaz de apagar a sede de esperança que tem o mundo”, disse.

Numa das cerimônias mais solenes e carregadas de simbologia da semana santa, Francisco deu o exemplo de Pedro, que, diante da morte de Cristo, não se deixou “dominar pelas suas dúvidas, afundar pelos remorsos, o medo e os boatos contínuos que não levam a nada”.

“Sem ceder à tristeza ou à escuridão, abriu-se a voz da esperança: deixou que a luz de Deus entrasse no seu coração sem a apagar”, acrescentou Francisco, que também citou as mulheres que socorreram ao sepulcro. O papa indicou aos fiéis que, tal como Pedro e as mulheres, “nem nós encontraremos a vida se permanecermos tristes e sem esperança e fechados em nós mesmos”.

O papa aconselhou a abrir os “túmulos selados para que Jesus entre e os encha de vida” e livrar-se “do rancor e das lajes do passado, das pedras pesadas, das fraquezas e das quedas”. A respeito dessas “pedras pesadas”, Francisco disse que a primeira a remover não pode ser outra senão “ser cristão sem esperança”, o que implica viver “como se o Senhor não tivesse ressuscitado e os problemas fossem o centro da vida”.

A cerimônia começou em silêncio e com a basílica de São Pedro completamente às escuras, para representar a ausência de luz após a morte de Cristo. No final da cerimônia foram batizados 12 adultos.

Fonte: Agência Brasil