Jornalista da Globo e Jean Wyllys batem boca sobre Dilma no Twitter

Clique nas imagens e confira a discussão entre Jean e Leilane

Nesta quinta-feira (31), Leilane Neubarth e Jean Wyllys protagonizaram um barraco no Twitter. A jornalista da GloboNews bateram boca sobre suas opiniões em relação ao impeachment de Dilma Rousseff.

 

Jean tinha publicado uma imagem na qual convocava seus seguidores para uma manifestações contra a saída da presidente. “Há 52 anos o Brasil foi mergulhado em mais de vinte anos de escuridão”, dizia o texto, em uma alusão ao golpe de 64.

A jornalista decidiu comentar a postagem e logo começou uma discussão entre os dois, que criaram grande polêmica nas redes sociais após seguidores também começarem a comentar.

O bate-boca terminou depois de Leilane dizer que os dois eram amigos e para as pessoas não brigarem por assuntos políticos.

Veja a discussão nas fotos abaixo…

Este slideshow necessita de JavaScript.

Médico de Patrícia Poeta é esfaqueado e tem quadro de saúde estável

Fabiano foi abordado por um homem que o acusou de ter olhado para sua mulher na madrugada desta sexta-feira (1º)

naom_56feddf410bdf.jpgFabiano M. Serfaty, médico endocrinolosgita, levou duas facadas nos pulmões na madrugada desta sexta-feira (1º), no Leblon, Zona Sul do Rio. O G1 informa que o quadro de saúde dele é estável. Fabiano está internado no Hospital Samaritano, em Botafogo.

A publicação refere que ele havia saído do Bistrô Bagatelle, no Jockey, e seguiu para o Leblon com os amigos. Na volta para casa, Fabiano foi abordado por um homem que o acusou de ter olhado para sua mulher. O médico foi agredido com um soco e duas facadas.

O G1 recorda que, em 2015, o médico participou do programa “É de Casa”, da TV Globo. Ele é o endocrinologista da apresentadora Patricia Poeta.

 

Receita de Bolinha de queijo assada

Bolinha_queijo_assadoo

Ingredientes

  • 1 xícara (chá) de maionese
  • 1/2 xícara (chá) de leite
  • 1/2 xícara (chá) de queijo ralado
  • 3 xícaras (chá) de farinha de trigo (aproximadamente)
  • 2 colheres (chá) de fermento em pó
  • Queijo ralado para polvilhar

Modo de preparo

  • Em um recipiente, misture a maionese, o leite e, aos poucos o queijo ralado, a farinha de trigo e o fermento em pó.
  • Amasse até ficar homogêneo e sem grudar nas mãos (se necessário, adicione mais farinha).
  • Retire pequenas porções e modele as bolinhas.
  • Polvilhe-as com o queijo ralado e distribua-as sobre uma assadeira.
  • Leve ao forno médio e preaquecido por cerca de 15 minutos.
  • Sirva em seguida.

Rolinhos de Nutella para uma segunda-feira deliciosa

20_1459170727.png

INGREDIENTES

– Fatias depão de forma quadrado e sem casca
– Nutella
– 3 ovos
– 500 ml de leite
– 1 colher de sopa de extrato de baunilha
– 4 colheres de sopa de açúcar

MODO DE PREPARO

Use o rolo de massa para achatar as fatias de pão, depois espalhe Nutella por cada fatia (menos nas bordas, porque pode vazar) e enrole. Numa tigela, adicione o leite, o açúcar e o extrato de baunilha.

Em outra tigela, bata os três ovos até que se misturem. Passe os rolinhos de pão no leite e depois na mistura dos ovos. Em seguida, frite em óleo bem quente. Depois que estiverem fritos, passe os rolinhos na mistura de açúcar e canela. Divirta-se!

Fonte: O Bonde

http://www.anunciad.com.br/table_ad.jsp?u=28214

Se o presidente do Brasil e o vice morrerem, quem assume o cargo?

 

per-125-presidente.jpg

O presidente da Câmara dos Deputados (atualmente, o peemedebista Eduardo Cunha). Ele é o terceiro na linha de sucessão presidencial do país, segundo a Constituição Federal. Se ele também bater as botas, a responsabilidade vai para o presidente do Senado Federal e, depois, para o presidente do Supremo Tribunal Federal. Mas esses três só assumem provisoriamente, até que uma nova eleição seja convocada. O prazo para organizar esse pleito é de 90 dias, mas, se for nos últimos dois anos do mandato, cai para 30 dias. De uma forma ou de outra, o presidente e vice escolhidos na eleição extraordinária vão governar apenas até completar o mandato de seus antecessores.

Braço direito de Temer, Moreira fala em corte de programas socais

images_cms-image-000488751.jpgResponsável pelo documento “Ponte para o Futuro”, Moreira Franco defende cortes em programas como o Fies e o Minha Casa, Minha Vida, que conta com subsídios do FGTS; “Isso precisa ser enfrentado antes que vire um grande problema: estão levando o uso do FGTS ao limite – e o fundo é do trabalhador, precisa ser remunerado, não dá para fazer graça com o dinheiro do outros”, afirma; PMDB também estuda revisão de gastos do SUS

Uma reportagem da jornalista Alexa Salomão informa que as diretrizes econômicas de um eventual governo Michel Temer preveem uma revisão drástica dos gastos sociais.

Um dos principais responsáveis pelo programa é o ex-governador do Rio de Janeiro, Wellington Moreira Franco, que elaborou o documento “Ponte para o futuro”.

As mudanças envolvem a revisão de vários programas sociais, como o Minha Casa, Minha Vida e o Fies, além do próprio Sistema Único de Saúde.

“Avaliamos medidas da área social que possam beneficiar a população, combater a pobreza e, ao mesmo tempo, manter o equilíbrio fiscal e a saúde das contas públicas: são medidas que já foram usadas no Brasil, que são adotadas em vários países”, disse Moreira Franco.

Um dos seus alvos é o programa habitacional do governo Dilma, que conta com subsídios do FGTS. “Isso precisa ser enfrentado antes que vire um grande problema: estão levando o uso do FGTS ao limite – e o fundo é do trabalhador, precisa ser remunerado, não dá para fazer graça com o dinheiro do outros.”

Ele também falou sobre o Fies, o Fundo de Financiamento Estudantil. “O Fies é eficaz, mas precisa de meritocracia”, afirmou Moreira. “Não pode ocorrer como no ano passado, quando vimos 3 milhões de alunos perdidos, sem repasses, ouvindo a desculpa que havia problema no sistema de informática, mas era falta de dinheiro para todo mundo.”

“Existe ainda a leitura de que é fundamental fazer uma intervenção no SUS. O sistema é vital, mas está fora de controle. Não há, porém, clareza sobre como reorganizá-lo. Ao final, as propostas de cunho social vão se somar as da área macroeconômica para criar um pacote de reestruturação dos gastos”, informa a reportagem de Alexa Salomão.

Fonte: Brasil 247